Displasia Coxofemoral

A displasia coxofemoral afeta as patas traseiras dos cães
A Displasia dificulta a movimentação

Todo mundo que tem um pastor alemão em algum momento já ouviu falar sobre a tão afamada displasia coxofemoral.

Mas afinal de contas, o que é isso? Como acontece? Tem tratamento? Tem prevenção? Como saber se meu pastor alemão tem? Essas e outras perguntas vamos elucidando ao longo da nossa conversa por aqui.

A displasia coxofemoral é uma alteração patológica que surge na articulação coxofemoral, ou seja, onde o fêmur (perna) articula com o acetábulo (quadril) levando a quadros de claudicação (manqueira) e dor, podendo deixar o animal sem andar.

Ela é um problema genético/hereditário ou adquirido e, por isso, com o passar do tempo, alterações ósseas como engrossamento do colo do fêmur e arrasamento acetabular vão ocorrendo nos respectivos ossos. Por fim, essas alterações ocasionam instabilidade articular, levando a quadros de dor, dificuldade para andar e se levantar, além de outros sinais, sendo popularmente conhecida como “anca caída”.

Leia a Entrevista com Dr. Marcelo Gusella

Pastores alemães são a segunda raça mais acometida por esse problema, perdendo apenas para os Rottweilers. Uma vez que, mais de 20% dos pastores apresentam displasia coxofemoral de algum grau ao longo da vida.

Poucas são as maneiras de prevenir o aparecimento do problema, entretanto, você pode e deve sempre evitar que o animal tenha acesso a pisos lisos, evitando escorregões, além de evitar esforços excessivos. Já na compra ou adoção de um filhote, exija do canil alguma declaração veterinária e/ou exames de raio-x indicando que os pais da ninhada não tenham alterações sugestivas de displasia. Assim você terá menor probabilidade de adquirir um filhote com problema.

Para tratamento da displasia coxofemoral, são necessários os usos de antinflamatórios, analgésicos e condroprotetores, contudo, em animais onde o tratamento mais simples não resolve, o caso pode evoluir para cirurgia. Assim resolvendo por um período mais longo ou em definitivo o problema.

O que devemos sempre lembrar é que estamos tratando de uma raça extremamente pré-disposta à displasia coxofemoral, portanto, evite excesso de peso, pisos escorregadios, e visite sempre seu médico veterinário de confiança, além de realizar periodicamente exames radiográficos do quadril para que o diagnóstico da doença não seja tardio.

E o mais importante, continue brincando, dando muito amor e carinho ao seu pastor alemão, porque eles são demais!

Um abraço,

Dr. Marcelo Gusella

Médico Veterinário

www.drmarcelogusella.com.br

@drmarcelogusella

Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Menu